Resenha: Trilogia A Seleção | Kiera Cass


Olá pessoas!! Bom, eu estou passando por um momento difícil... A última semana de férias! Haha brincadeira, brincadeira... Não pense que sou uma dessas que odeia estudar ou algo do tipo, estou até animada com o início das aulas... Muitas mudanças estão por vir e isso causa ao mesmo tempo euforia e medo, mas ainda não posso negar que estou animada!

Bom, já nesse finalzinho de férias, eu resolvi ler alguma coisa. Sim, só no finalzinho que eu me lembrei de ler... Eu estava lendo o primeiro livro de As Brumas de Avalon, mas não sei, não estava gostando... a leitura estava um pouco cansativa, isso se você considerar que já era a minha segunda tentativa de ler essa série, porém, sem sucesso mais uma vez. Então eu resolvi ler algo que eu já havia me interessado há algum tempo, mas ainda não tinha lido. 

Eu conheci A Seleção na internet em páginas do Facebook há um tempinho, onde via muitas pessoas comentando sobre. Eu fui procurar saber um pouco mais e descobri que era distopia (uhuul), e eu simplesmente me interesso muito pelas distopias, apesar de só ter lido uma (Jogos Vorazes), minha lista de livros a ler está com pelo menos duas distopias no momento. Mas eu tinha engavetado a ideia de ler A Seleção, até agora.

Bom, vamos ao que interessa, certo?

Eu tentei, sem sucesso, criar um sinopse curta e boa, mas não deu certo... então eu peguei a sinopse do próprio livro no site da Editora Seguinte.

"Para trinta e cinco garotas, a Seleção é a chance de uma vida. É a oportunidade de ser alçada a um mundo de vestidos deslumbrantes e joias valiosas. De morar em um palácio, conquistar o coração do belo príncipe Maxon e um dia ser a rainha.
Para America Singer, no entanto, estar entre as Selecionadas é um pesadelo. Significa deixar para trás o rapaz que ama. Abandonar sua família e seu lar para entrar em uma disputa ferrenha por uma coroa que ela não quer. E viver em um palácio sob a ameaça constante de ataques rebeldes.
Então America conhece pessoalmente o príncipe - e percebe que a vida com que sempre sonhou talvez não seja nada comparada ao futuro que nunca tinha ousado imaginar."


Desculpem a minha enorme (sqn) habilidade de fazer uma sinopse/resumo/introdução.

Enfim, como você pode ver no título desse post, A Seleção é uma trilogia, ou pelo menos era. Era uma trilogia até pouco tempo quando a autora, Kiera Cass, anunciou o lançamento de mais dois livros para a série. Mas por enquanto vou falar aqui apenas dos três primeiros, por isso Trilogia A Seleção.

Eu li todos os três livros em três dias. Sim, você leu certo. Três dias. Até eu me surpreendi comigo mesma. Eu nunca tinha lido um livro tão rápido, mas a história me prendeu de uma maneira inimaginável. Sério, eu não conseguia largar o celular, ou então não conseguia sair do computador, porque li todos em pdf.

Bom, no primeiro livro, nós vemos America ainda em sua casa e depois os primeiros momentos da Seleção. Sua chegada ao palácio, o primeiro contato com o príncipe Maxon, que eu considero uma das melhores partes de toda a trilogia e o acordo que eles firmaram.

"[...] Se me deixar ficar... — eu estava prestes a dizer algo bem idiota, mas prossegui. — Tudo bem, veja só. Você é o príncipe. Fica ocupado o dia inteiro ajudando a administrar o país e tal, e agora tem que encontrar tempo para escolher uma entre trinta e cinco, ou melhor, trinta e quatro garotas. É pedir muito, não acha?
Ele concordou. Dava para notar que se cansava só de pensar nisso.
— Não acha que seria muito melhor se tivesse alguém aqui dentro? Alguém para ajudar? Tipo... uma amiga?
— Uma amiga? — ele perguntou.
— Sim. Se me deixar ficar, posso ajudar. Serei sua amiga. [...]"

Vemos também sua relação com Maxon crescer de uma maneira que nem ela mesma havia imaginado, porém quando ela pensava que tudo ia bem, Aspen, seu antigo namorado que havia terminado com ela um pouco antes de ela ser selecionada, tinha começado a trabalhar no palácio como guarda


Depois disso, tudo meio que desaba. America fica mais confusa do que sempre. Sinceramente, às vezes chega até ser um pouco irritante, mas eu não posso culpá-la, porque até eu me senti confusa diante daquilo. Ela amava Aspen, mas ao mesmo tempo tinha Maxon e ela ainda não sabia muito bem como lidar com o que sentia por Maxon.

Já no primeiro livro fica claro que a grande questão da história é quem America escolheria e não quem Maxon escolheria, o que chega a ser um tanto controverso, mas como America é a protagonista dá pra entender.

Como eu já disse acima, eu mergulhei dentro dessa história de tal forma, que minha opinião começou a mudar junto com a da America em certas partes. No início eu tinha certeza de que ela tinha que ficar com o Aspen de qualquer forma, mas ao longo da história e conforme ela e Maxon se aproximavam, isso já não ficou tão claro na minha mente.

Já no segundo livro, o grupo se reduziu a seis garotas, a Elite. Maxon estava cansado e queria acabar logo com aquilo. Nós vemos a disputa entre as garotas ficar muito mais acirrada, mas também se vê que cresce uma amizade entre elas apesar das circunstâncias.

Esse livro nos trouxe também cenas muito mais tensas... e eu admito que chorei nesse livro...

"[...] Meu coração subiu pela garganta. Era como se meu mundo caísse. [...]
Ela contemplou a multidão e nossos olhares encontraram-se por uma fração de segundo antes de ela ser mais uma vez empurrada para a frente. [...]"


Porém, a relação de Maxon e America se estreita muito mais, ao passo que Aspen... bem, não sei muito o que falar sobre a relação de America e Aspen a essa altura, só posso dizer que ainda existia algo muito forte entre os dois.

Minha opinião já não mudou nesse livro. Maxon era da America e America era do Maxon. Na minha cabeça aquilo estava feito, era simples. Porém, pra America não era tão simples assim.

"[...] Tempo. Eu vinha pedindo muito tempo ultimamente. Tinha a esperança de que, se tivesse tempo suficiente, tudo ia se resolver. [...]"

Nesse livro, Cass começou a desenvolver mais o lado político da história, contando mais sobre os rebeldes e sobre a história do país.

America começou a me dar raiva... mas ainda gostava dela...

Finalmente eu tinha acabado A Elite e chegado em A Escolha. Eu não consigo nem descrever a minha ansiedade com esse livro. Sério.

A Escolha terminaria com o mistério de quem America escolheria, apesar de pra mim já estar explícito. Completamente explícito. Mas enfim...

Nesse "último" livro o lado político foi bem mais desenvolvido, mas não deixando o romance de lado em nenhum momento.

America se mostrava mais distante de Aspen, mas também se distanciava de Maxon. Por coisas bobas e conclusões precipitadas, mas mesmo assim, se afastava.

Uma coisa que eu tenho com o Maxon é que, mesmo com tudo o que a America viu, tudo o que ela pensou, eu não conseguia ver ele como uma má pessoa e a America me dava raiva por não enxergar isso...

Mas ainda assim, a amizade entre as garotas estava mais forte que nunca.

Muito mais do que A Elite, esse livro trouxe uns momentos MUITO mais tensos.

"[...] A sensação estranha no meu braço voltou e começou a queimar. Olhei
para baixo, sob a fraca luz de um poste. A manga do casaco estava
molhada.
Tinha levado um tiro.
Tinha levado um tiro? [...]"


E quando eu digo tensos, são tensos mesmo...

"[...] Não compreendi as palavras de imediato. Porém, não importava
como as organizasse na minha cabeça, a impensável conclusão era sempre
a mesma.
E então o quarto começou a balançar e vi Maxon com uma expressão
assustada. A última coisa que senti foram os braços dele me segurando
para que eu desabasse no chão. [...]"

Beeeem tensos...


"[...] Me esgueirei sob a mesa para encontrá-lo respirando com dificuldade;
uma grande mancha vermelha se espalhava por sua camisa. A ferida de
bala embaixo de seu ombro esquerdo parecia muito grave. [...]"

Bom, eu gostei do final, apesar de achar ele um tanto apressado... algumas coisas faltaram ser escritas, mas é como se já sabíamos que ia acontecer sabe?


Bom, eu fiz questão de fazer alguns comentários em geral, porque se aplicam a todos os livros.
A leitura é muito agradável, fluida e divertida. America era sim uma protagonista chata em alguns momentos (e bastante chorona), mas não posso negar que é muito divertida.
Os livros foram escritos de um modo que você conseguiria se apegar a todos os personagens (ou a quase todos).
A crítica social, presente em grande parte das distopias, fica em segundo plano dando o primeiro para o romance.
Algo que eu gostei bastante foi que ao longo da leitura nós descobrimos como Illéa se formou e mais ou menos como o mundo está.

Há uma linha tênue entre as pessoas que podem amar e as que podem odiar A Seleção. Romances de triângulo amoroso não costumam agradar a todos. Eu, claramente, estou entre os que amam.

Vamos falar dos outros livros. 

Já temos lançado o livro Contos de A Seleção que reúne os contos O Príncipe, que é narrado por Maxon e mostra os momentos antes da Seleção começar e os primeiros momentos da competição, e também o conto O Guarda, que é narrado por Aspen e mostra o ponto de vista dele sobre acontecimentos de A Elite.



Em março, teremos Contos de A Seleção 2, que traz os contos A Rainha (que já está disponível no formato digital), que mostra como a rainha Amberly, mãe de Maxon, foi escolhida pelo rei Clarkson durante sua própria Seleção, e também A Favorita, que será do ponto de vista de Marlee, melhor amiga de America durante a Seleção.


Também temos O Diário da Seleção, que é um livro com atividades para cada dia do ano baseadas na série de livros.

E em maio, será lançado o livro The Heir (A Herdeira, no Brasil) e será o quarto livro da série (clique aqui para saber mais sobre ele).



Compre A Seleção na Saraiva


Compre A Escolha na Submarino


Bom gente... foi isso... eu estava bastante entusiasmada para fazer essa resenha e espero que tenham gostado!! 
Um beijo da Thalita e até o próximo post!!

"[...] Isto não é um “felizes para sempre”.
É muito mais que isso."

6 comentários:

  1. Eu realmente me interessei neste livro, com certeza está agora na minha lista de livros. Adorei o jeito que vc escreveu, além de dar curiosidade, dá o gostinho de vontade de ler. 'u' Vou com certeza ler.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Leia sim!! É MUITO bom!! É bom a gente ler um romance de vez em quando!! haha

      Excluir
  2. Confesso que esperava um pouco mais dos livros. Achei A Seleção super interessante e fiquei super animada com a trilogia, mas acabei me decepcionando um pouco A Elite e A Escolha. Acho que o livro que eu menos gostei foi A Elite, porque no final de A Seleção, a America diz que escolhe a si mesma, e isso foi a única coisa que ela não fez no segundo livro... Achei também que a questão do rebeldes e tudo mais foi mal trabalhada na trilogia e, sim, não me julgue, passei a trilogia inteira torcendo pro Aspen... Vida difícil essa de Team Aspen, hahaha!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Quem é Aspen mesmo? haha America diz que escolhe a si mesma, portanto escolheu quem o coração dela mandava, de certa forma, não deixou de escolher a si mesma... a questão dos rebeldes, eu acho que não ficou tão ruim por ser um livro focado muito mais no romance do que na crítica social (que seria o que os rebeldes e todo o cenário político representariam) e no final, para mim, ficou algo bem explicado, se você analisar o contexto geral dos livros...

      Excluir
    2. Quando eu digo que escolher a si mesma foi a única coisa que a America não fez, eu me refiro à quantidade de vezes em que ela ficava: Aspen ou Maxon? Aspen ou Maxon? Ou mudava completamente de opinião sobre eles a cada 5 minutos, isso tornou o livro meio chato pra mim. E eu acho que mesmo sendo focado no romance, a autora podia dar uma atenção a mais para o cenário e deixar as coisas menos no ar, talvez isso mude com o próximo livro.

      Excluir
    3. Realmente, essa mudança constante de opinião da America, às vezes me dava raiva... Quanto a parte dos rebeldes e da política, só podemos esperar pelo próximo livro...

      Excluir